Weby shortcut
facebook Cai

Depoimentos CAPES / FIPSE

Atualizado em 23/07/15 15:55.

              O Programa de Consórcios em Educação Superior Brasil - Estados Unidos é fruto do acordo entre a CAPES e o Fund for the Improvement of Post Secondary Education (Fipse) do Departamento de Educação dos Estados Unidos. Seu objetivo é apoiar a inserção dos cursos de graduação das Instituições de Ensino Superior (IES) brasileiras no cenário internacional, mediante a modernização curricular, o reconhecimento mútuo de créditos e o intercâmbio docente/discente. As concessões previstas incluem missões de estudos, missões de trabalho e recursos para custeio do projeto.

SITE: http://www.capes.gov.br/cooperacao-internacional/estados-unidos/capes-fipse

 

 

  Lucas Manassés

NOME: Lucas Manassés Barbosa

CURSO: Música

DESTINO: Estados Unidos da América,  Huntington

 

DEPOIMENTO:

A experiência acadêmica me motivou a estudar no exterior. Dessa experiência o que tirei de mais relevante foi a rotina de estudos adquirida durante o intercâmbio e o fácil acesso à materiais tanto pela biblioteca da universidade como pelo sistema de compras do país. Aos estudantes que têm interesse, digo que  essa é uma grande experiência!

 Thalyta.JPG

NOME: Thalyta Lopes Rego

DESTINO: Estados Unidos, Califórnia, Los Angeles

 

DEPOIMENTO:

O que mais me motivou foi conhecer pessoas com uma cultura diferente. Conhecer lugares diferentes, paisagens diferentes das encontradas no Brasil, cidades com formações diferentes. Praticar uma língua diferente, que por 4 anos eu estudei no Brasil mas não praticava com muita freqüência.Gostei muito da experiência de ter aulas em inglês, percebi que o inglês estudado nos cursos no Brasil ajuda a entender as pessoas, mas para falar com fluência precisa de contato com pessoas nativas. Aprendi muito com as disciplinas de Planejamento Urbano, como aconteceu o desenvolvimento das cidades nos Estados Unidos e como são executados os estudos de impacto ambiental.Conheci paisagens muitos bonitas, como a praia de San Diego e o Grand Canyon e cidades muito famosas com Las Vegas. Assim como lugares de grande destaque, como Hollywood e Beverly Hills.É uma experiência única, que vale a pena participar. Além do que aprendemos nas aulas, temos o aprendizado fora delas, com as pessoas, os lugares. Ao chegar é importante participar dos eventos, conhecer o que for possível, porque o tempo passa rápido e é preciso aproveitar o tempo que se tem. 

         carol neri

NOME: Caroline Neri de Lima

DESTINO: Estados Unidos, Gadsden - ALABAMA

 

DEPOIMENTO:
Senti-me motivada a estudar no exterior devido ao local ser apropriado para desenvolver o meu projeto de pesquisa e para adquirir maior proficiência na Língua Inglesa.Foi muito bom poder conhecer pessoas e culturas de várias partes do mundo, assim como poder ter a oportunidade de conhecer outros métodos de ensino de língua estrangeira. Eu pude ter a maravilhosa experiência de ensinar inglês para alunos de diversos países em uma mesma sala de aula. O que parecia difícil se tornou muito interessante e divertido. Além disso, pude cultivar inúmeras amizades.Estudar no exterior é uma oportunidade única e inesquecível. Pode parecer um comentário clichê, mas é o que realmente acontece. Se você sai do Brasil com muitas expectativas, com certeza boa parte do que você espera se realiza. Só depende mesmo de esforço e dedicação, tanto aqui quanto lá. 
 

 Élider(1).jpg

NOME: Élider de Paula Bento

DESTINO: Estados Unidos, Huntington – WV

 DEPOIMENTO:

O que me motivou a estudar no exterior foi saber que existe um intercâmbio de culturas, fora que era uma grande oportunidade para minha vida pessoal e profissional, além de ganhar a fluência em outro idioma.Há experiência encontrada não só com cultura praticada em outro país, mas todas as amizades e oportunidades para o meu desenvolvimento profissional e pessoal que abrangeu desde ao aperfeiçoamento de um novo idioma às novas amizades foi surpreendente. Neste intercâmbio eu consegui além de vários recitais solo e de música de câmara, com o qual a estréia americana de uma de minhas obras que eu executei e gravei para a “Society of Composer” em trio com dois alunos da Marshall University, em diversas cidades em vários estados dos EUA. Fui selecionado dentre todos estados dos EUA como um dos 3 pianistas a participar da “Music Teachers Associations – Fall Colaborative Conference” em performance na master class da renomada pianista Barbara Nissman. Sem contar com o aprimoramento obtidos com as aulas dentro da Universidade.Este intercâmbio é algo que não pode ser desperdiçado, pois além de estar estudando em uma universidade de nível e com várias oportunidades a serem obtidas o programa cobre todas as despesas. 

 thay

NOME: Thayná Mendanha dos Santos

DESTINO: Estados Unidos, Cedar Rapids, IA

 

DEPOIMENTO:

Estudar no exterior, além de ser uma grande oportunidade acadêmica, é uma experiência pessoal muito enriquecedora. Acredito que com este semestre em Kirkwood pude expandir minha visão do mundo e meus conhecimentos acadêmicos. Além de tudo, esta oportunidade me permitiu aprimorar meu conhecimento da língua inglesa da cultura americana.Gostaria de abordar a importância do programa Capes/Fipse em minha vida acadêmica e pessoal. O semestre de convívio com uma cultura diferente me propiciou uma visão diferente da vida, do meio agrário, do Brasil e do mundo. Me tornando alguém muito mais confiante, flexível e capaz de tomar grandes decisões. As experiências do intercâmbio me trouxeram uma grande segurança em acreditar que nada em minha vida acadêmica e profissional é impossível.Ter vivido fora, mostrou o quanto o Brasil é importante no âmbito internacional, agrícola e energético. Hoje em dia, não vejo somente o mundo de forma diferente, mas o Brasil também. Talvez a grande importância de programas como esse esteja nessa reflexão, nesse aprendizado de valorização do próprio país e na percepção de que tudo é possível.Programas de intercâmbio acadêmico são extremamente importantes para a formação de um estudante. Propiciam aos alunos brasileiros a chance de vivenciar uma nova cultura, aperfeiçoar-se em outro idioma, fundamentar novas ideias, além de contribuir para o desenvolvimento de liderança. Essa experiência contribui não só para a vida profissional do aluno, que leva consigo essa experiência para toda sua vida, mas também para a vida pessoal, forçando nele a capacidade de adaptação a um ambiente estrangeiro, melhorando sua habilidade de se expressar em um idioma diferente e fazendo dele um embaixador de seu país enquanto no exterior. 

         manoel

NOME: Manoel de Oliveira Mota Júnior

DESTINO: Gadsden, Alabama/USA

 

DEPOIMENTO:
O que me motivou a estudar no exterior foi o fato de eu sempre ter gosto pela língua de inglesa e sempre querer aprender essa língua mais a fundo. Dessa forma, indo para os EUA, eu poderia me aprofundar em meus estudos e usar o inglês em um contexto onde ele é falado como primeira língua. Além disso, sempre me interessei por diferentes culturas e em Gadsden tem estudantes de diversas partes do mundo, o que torna a experiência de morar em outro país muito mais rica e interessante.Morando em Gadsden, adquiri muito conhecimento da língua inglesa. A minha fluência e habilidade com a língua melhoraram muito morando lá. No entanto, muito mais do que conhecimento teórico e lingüístico, adquiri experiência de vida; ganhei mais independência e aprendi a lidar melhor com os problemas e dificuldades que apareciam. Além disso, fiz amizades não só com americanos, mas também com pessoas de diversas partes do mundo, o que vou levar para a vida toda.Se você gosta de línguas estrangeiras, se interessa por diferentes culturas e pretende expandir os seus horizontes, não pense duas vezes! Estude no exterior cresça tanto pessoal como profissionalmente. 

    Eber F. de Oliveira

NOME: Eber F. de Oliveira 
DESTINO: Discussão sobre identidade cultural durante Semana Internacional na GSCC.

 

DEPOIMENTO:

Viajar aos EUA foi uma experiência muito rica em vários sentidos. Morar em um típico alojamento estudantil na Gadsden State Community College proporcionou-me as mais diversas chances de contato social com os locais. Pude conviver com vários estudantes estrangeiros, desfrutar das e estórias e experiências pessoais de muitos que comigo viviam. Ouvi relatos interessantes de pessoas de muitos países como Iraque, Alemanha, Inglaterra, Rússia, Bahrein, China, Japão, Vietnã, Taiwan, Bolívia, Colômbia, Chile, Peru, Costa do Marfim, e outros. Senti também a expressão de muitas culturas que, de forma inegável, passaram a moldar o estudante e a pessoa que sou. Tive ainda a satisfação de ter sido convidado para representar o Brasil numa discussão sobre identidade cultural durante a celebração da Semana Internacional na GSCC. As decepções e alegrias dos locais e dos estrangeiros permitiram uma ampliação do meu entendimento sobre que é ser brasileiro e o que é ser um estrangeiro especificamente nos EUA. Igualmente, compartilhar da companhia de pessoas distintas possibilitou meu desenvolvimento pessoal, acadêmico e profissional de forma decisiva.Além disso, refletir sobre as raras chances que pessoas como eu tiveram, me ajuda a valorizar ainda mais tudo o que passei por lá. Foi ao mesmo tempo um choque cultural e uma grande emoção vivenciar todos os dias do período que passei como estudante em Gadsden, que, apesar de ser uma cidade de pequeno porte, ofereceu-me bons colegas de profissão e amigos para uma vida inteira. 

 Lídia dos Santos Ferreira de Freitas -

NOME: Lídia dos Santos Ferreira de Freitas

DESTINO: EUA/University of Montevallo, Montevallo

 

DEPOIMENTO:
Estudo Letras na UFG e já sou professora de Inglês. A experiência acadêmica em um país de língua inglesa era de grande interesse profissional pra mim. Durante o período do intercâmbio fiz 3 matérias em Montevallo: Redação, Francês 1 e Filosofia 1. O que fica de positivo é, antes de tudo, a experiência pessoal. O contato com a nova cultura, com os novos valores e com você mesmo diante do novo. O intercâmbio é no fundo um aprendizado sobre si mesmo. Em segundo lugar vem a experiência acadêmica, que foi muito valiosa pra mim. Perceber e compreender a diferença, o modo como o outro investiga, faz ciência e educa (que é sempre diferente do nosso, em qualquer parte do mundo) foi muito interessante.
A outros estudantes, que têm interesse de fazer um intercâmbio, eu diria que este é um evento que afeta a pessoa profundamente, uma chance única. O que eu diria para um futuro intercambista, no entanto, é que esteja preparado para o diferente e para a possibilidade de as coisas não irem exatamente como no plano inicial . A riqueza da experiência está mesmo nesses saltos e tropeços. 

 

NOME: Mariana Fernandes Pavezzi

DESTINO: Amherst (Massachusetts) – Estados Unidos

 

DEPOIMENTO:

O que me motivou foi a oportunidade de aprendizado e enriquecimento do meu currículo acadêmico e de aprimorar os conhecimentos na língua inglesa e na cultura norte americana. Uma grande oportunidade para aprimorar os meus conhecimentos na área de planejamento urbano e regional. A minha carga conceitual e sobre as ferramentas e elementos do planejamento urbano foram aprimoradas e vividas na prática. Alem de melhorar a minha proficiência na língua inglesa. Estudar no exterior aprimora o currículo acadêmico e os conhecimentos relevantes a área de estudo. Ao mesmo tempo, estar inserido em uma cultura diferentes o faz viver na prática o tipo de vida e língua falada no país do intercâmbio. Algo que mão se resume apenas a conhecimento acadêmico, mas algo que e levado para a vida pessoal. 

 Vinicius Costa da Silva

NOME: Vinicius Costa da Silva

DESTINO: Estados Unidos – Morehead-KY

 

DEPOIMENTO:

O que me motivou foi o programa de jazz que a universidade americana oferece. O que mais gostei foram os aprendizados musicais, as práticas de big bands e grupos menores como trio, quarteto, a experiência de poder fazer arranjos e gravar composições próprias. Eu digo para os estudantes que se eles tiverem algum interesse na área do jazz, Morehead State University é um excelente lugar para estudar. 

 

NOME:João Pedro Tavares Damasceno

 

DEPOIMENTO:

O que me motivou foi a possibilidade ampliar meus horizontes, conhecendo uma nova cultura e um sistema educacional, político e econômico diferente do Brasil. O que mais gostei foi a diversidade cultural de alunos intercambistas, a estrutura incrível da universidade e os lugares inesquecíveis que tive a oportunidade de conhecer.Dedicação, paciência e responsabilidade são três qualidades que todo estudante que pretende estudar no exterior precisa ter. Além disso, as dificuldades são muitas, mas certamente os benefícios gerados pela experiência não tem comparação. 

                                                                Rodrigo Antonio dos Santos

NOME: Rodrigo Antonio dos Santos

DESTINO: Estados Unidos – Amherst – MA

 

DEPOIMENTO:

O que me motivou foi o interesse em conhecer e aprender outras culturas, outros lugares, outras ideias. Assim como o aperfeiçoamento da língua estrangeira. A rica e única experiência de estudar em outro país tendo a oportunidade de conhecer novas visões sobre a disciplina cursada no Brasil e no exterior. O que mais gostei foi o aperfeiçoamento da língua estrangeira, a rica cultura e conhecimento adquiridos e as boas amizades. Eu diria para “irem fundo” porque é uma experiencia única na vida de um estudante. Principalmente para aqueles que são curiosos com o mundo e suas peculiaridades. A experiência no exterior é algo que só enriquece o estudante tanto em termos profissionais, culturais e principalmente pessoais.

 Ana Letycia Basso Garcia

NOME: Ana Letycia Basso Garcia

DESTINO: Estados Unidos 

 

DEPOIMENTO:

Acredito que o que teve maior resultado no meu desenvolvimento pessoal e profissional foi o convívio com outras pessoas, de diferentes culturas, línguas e comidas. Essa vivência me ensinou a respeitar diferentes pontos de vista e a entender diferentes sotaques, além de aguçar a minha curiosidade e me fazer buscar explicações para várias coisas que para mim, antes eram inaceitáveis. Além disso, a convivência com outro sistema de ensino, mais prático, me ensinou a avaliar o cotidiano e procurar soluções rápidas para problemas cotidianos.  

       Alexandre Arthur Silvestre Vaz

NOME: Alexandre Arthur Silvestre Vaz

DESTINO: Huntington, West Virginia, Estados Unidos

 

DEPOIMENTO:

As principais motivações foram a experiência de morar fora do país, ter aulas e ver como os alunos são ensinados num país que é referência no ensino da performance musical. O que mais gostei foi sem dúvida a experiência de morar fora e ter feito os amigos que fiz. Essa experiência me fez amadurecer muito e perceber que o perfil do estudante brasileiro não está abaixo do perfil do estudante estadunidense, principalmente quanto ao interesse e a aptidão. Vale muito a pena estudar no exterior. A experiência é singular e de acréscimo pessoal e profissional integral. É uma oportunidade de conhecimento que não tem preço. 

 

 NOME: Paula Mendes

DESTINO: Cedar Falls/ Iowa/ Estados Unidos

 

DEPOIMENTO:

Estou participando do Programa entre Brasil e Estados Unidos e recebo bolsa da Capes. Sempre tive interesse de estudar no exterior, mas as oportunidades eram muito escassas e muito altos os custos. A bolsa da Capes e o convênio da UFG com a University of Northern Iowa foram uma ótima chance de realizar um dos meus sonhos. Estou realmente amando essa oportunidade de estudar nos Estados Unidos. Eu diria que é única a experiência de viver em uma cultura totalmente diferente. E que antes de vir para cá eu acreditava ser tão próxima do Brasil. Hoje eu consigo ver claramente as diferenças e as semelhanças. Confesso que passei por muitos problemas de adaptação, mas estou apaixonada pela minha nova vida. Estudar fora do país te abre a mente para novas oportunidades no mercado e amplia sua rede de contatos. Cada dia longe de casa é muito intenso, você passa a trabalhar não apenas o lado profissional como também pessoal. É impossível explicar em poucas palavras tudo que estou vivendo aqui. Para os alunos que tem interesse em estudar no exterior eu diria que é muito importante se preparar para as provas, buscando cursos fora da universidade e participando de eventos ligados a sua área de interesse. E para adaptação em outra cultura e essencial o conhecimento da língua no país que pretende estudar, não somente para ser admitido no programa, mas também para se comunicar e interagir. O choque cultural é muito maior para quem não tem conhecimento do idioma. Proatividade e paciência também são necessários, saiba a hora de correr atrás da oportunidade e também esperar para que os resultados apareçam. 

 

 

 

 

 

 

Listar Todas Voltar